O Bem-Estar e a Felicidade

Jorge Bicho · 16.02.2017
  • /

A Psicologia Positiva, criada no final dos anos 90 com o objetivo de estudar o Bem-Estar e a Felicidade, tem sido profundamente estudada pelo Dr. Martin Seligman, professor da Universidade da Pensilvânia.
Uma das perguntas que muitas vezes colocamos a nós próprios, é se somos realmente felizes ou não, ou se a felicidade é um estado permanente ou se por outro lado podemos falar em momentos mais ou menos felizes.
Seligman, fala de Bem-Estar, uma visão porventura mais de acordo com o que está no nosso controlo, com componentes que podemos trabalhar em nós e para os quais podemos alcançar metas e objetivos, fazendo que a nossa vida possa a cada momento ser aquilo que pretendemos.
A Teoria do Bem-Estar, dá-nos a conhecer 5 aspetos fundamentais através do modelo PERMA (acrónimo destes 5 pontos) para alcançar o bem-estar, até porque a Felicidade está relacionada principalmente com as Emoções Positivas, primeiro elemento do PERMA. Este conceito de Felicidade, porque sempre altamente subjetivo, é transitório e varia muito em função das emoções positivas que sentimos a cada momento do dia.
Assim, o Bem-Estar é um conceito mais amplo e envolve não somente ser mais Feliz (ter emoções positivas) mas também 4 outras dimensões, e que são as seguintes:

Emoções Positivas  (P – Positive Emotions)
Compromisso   (E – Engagement)
Relacionamentos  (R – Relationships)
Missão/Sentido  (M – Meaning)
Realização   (A – Achievement)

- O Compromisso, não é mais que estar presente, vivendo o melhor de cada momento da vida. Fazermos por nos envolvermos na totalidade com a atividade, de uma forma total. Esquecemos de nós mesmos, porque estamos absorvidos pelo que fazemos, por isso ficamos fora das nossas queixas, da autocomiseração pensando num bem maior. Estamos a viver em Fluxo.
- Os Relacionamentos – família e amigos são um componente fundamental para o Bem-Estar. Num estudo (um dos mais longos de sempre) onde se têm estudado pessoas ao longo da sua vida – os participantes têm neste momento em média, idades rondando os 90 anos, a grande pergunta é, o que mantém as pessoas felizes durante a vida. A verdade é que mesmo as questões relacionadas com a saúde, devem-se em grande parte à qualidade das relações que se constroem durante a vida, mesmo não sendo sempre virtuosas, as conexões fortes e saudáveis, saber com quem contamos, proporciona um grande bem-estar físico e emocional.
- A Missão – viver e trabalhar em prol de um ideal maior do que eu mesmo, dar sentido ao que faço e a razão pela qual o faço. Ter consciência da nossa vida, faz com que quer nos momentos mais jubilosos quer nos mais delicados, encontremos em nós significado que nos mantém felizes.
A Realização – fazer acontecer, deixar a minha marca num  Mundo onde pertenço, e no qual me empenho. Esta é também uma escolha que só depende de cada um de nós.


Mark Twain disse: “Não há tempo, tão curta é a vida, para discussões banais, desculpas, amarguras, tirar ou pedir satisfações. Só há tempo para amar e mesmo para isso, é só um instante”

Cuidar do nosso bem-estar, de sermos felizes tem este lado de controlo que aprecio e para o qual necessitamos de foco.
Perguntar a nós mesmos:

Quais são verdadeiramente as minhas forças pessoais?
Uma força pessoal tem estas características:
- Um senso de propriedade e autenticidade (“É assim que eu realmente sou”)
- Uma sensação de prazer, por reconhecê-la, de aprender e saber como aprender a usá-la, de encontrar novas maneiras de usá-la.
Saber que ninguém me pode impedir, de me sentir fortalecido, em vez de exausto, a criação e procura de projetos pessoais: a alegria, prazer, entusiasmo ao utilizá-la.

Pergunte a si mesmo quais são as suas forças, como as use.
Pode também no final do dia, tentar recordar alguns acontecimentos positivos no seu dia, e para cada acontecimento, perguntar-se:. Porque ocorreu isto?
Vá guardando as respostas e analise-as de vez em quando.


Referências
Martin Seligman
Felicidade Autêntica (2002, Ed. Objetiva)
Florescer (2011, Ed. Objetiva)
Daniel Pink
Motivação 3.0 (2010, Ed. Elsevier – Campus)

Consulte também o site: www.authentichappiness.sas.upenn.edu